Quando um animal marinho, vivo ou morto, encalha na costa e não consegue regressar à água sem auxílio, estamos perante um arrojamento.

Se avistar algum animal arrojado nas praias de Sintra, entre em contato com a Rede de Arrojamentos de Lisboa e Vale do Tejo (RALVT). Se possível, forneça o máximo de informações possível, nomeadamente, localização exata, descrição do animal e, se possível, fotografias.

Após o contacto, siga com as orientações indicadas. Em caso de arrojamento de um animal vivo, e até à chegada da equipa, deverá seguir as seguintes recomendações:

1. Não tocar no animal
2. Não tentar devolvê-lo ao mar
3. Afastar-se da zona da cauda
4. Fazer sombra ao animal e tentar cobri-lo com toalhas húmidas (sem tapar o espiráculo)
5. Cavar buracos na areia, na área das barbatanas peitorais

Rede de Arrojamentos de Lisboa e Vale do Tejo: Telefone: 911 111 241

Entre janeiro e dezembro de 2023 a RALVT registou 2.5% de arrojamentos vivos para 97.5% de arrojamentos mortos. Os arrojamentos mais comuns são os cetáceos (baleias e golfinhos), as tartarugas marinhas e as aves marinhas. Ocasionalmente, ocorrem também arrojamentos de outros mamíferos marinhos, como as focas.

Artigo anteriorIncêndio controlado na cobertura de prédio em Agualva
Próximo artigoOlga Cadaval recebe comédia “Monólogos do Pénis”