Palácio Nacional de Sintra | Foto: PSML - Luís Duarte

Está a chegar ao fim o ciclo de Piano Português em homenagem a Viana da Mota integra, também, recitais dos pianistas António Rosado e Luísa Tender. O novo Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra despede-se este fim de semana de 12, 13 e 14 de julho dos Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz.

Serão os últimos recitais de homenagem ao grande músico e pianista Viana da Mota, que inspirou esta primeira edição, pelas mãos de grandes pianistas portugueses da atualidade herdeiros do seu legado.

O mote será dado por António Rosado, que interpretará obras de génios como Debussy ou Rachmaninoff; Luísa Tender revisitará os clássicos dos clássicos: Mozart, Bach e Chopin; e Artur Pizarro apresentará sonoridades argentinas, italianas e francesas, fechando o ciclo com o ambiente verdadeiramente latino de uma noite de verão.
Os recitais alternam entre a imponente Sala dos Cisnes do Palácio Nacional de Sintra e a requintada Sala do Trono do Palácio Nacional de Queluz e começam sempre às 19h00.

António Rosado / Foto: ©Attila Nagy

O segundo fim de semana do ciclo arranca no dia 12 de julho, sexta-feira, sob o signo da diversidade, com um recital de António Rosado, que é sempre um desafio de grande exigência ao próprio e ao ouvinte. Gozando de grande reconhecimento, tanto a nível nacional, como internacional, é um dos mais notáveis pianistas portugueses da atualidade.
O repertório que apresentará neste fim de tarde, no Palácio Nacional de Queluz, começa com Suite Bergamasque de Claude Debussy, continua com Fantasiestücke Op. 2 de Viana da Mota e com obras de Franz Liszt – genial pianista e compositor com quem Viana da Mota estudou em Weimar –, e reserva a monumental Segunda Sonata Op.36 de Sergei Rachmaninoff para o “grand finale”.

Luísa Tender / Foto: ©Tiago_Nunes

No dia 13 de julho, sábado, sobe ao palco da Sala dos Cisnes do Palácio Nacional de Sintra Luísa Tender, uma das pianistas mais destacadas da sua geração. Formada no Porto, em Los Angeles, Londres e Paris, dedica-se, também, à docência e à investigação.
Neste recital, revelando a sua apetência natural pelos clássicos, interpretará a Sonata em Si b maior Kv.333 de Wolfgang Amadeus Mozart e o Concerto Italiano de Johann Sebastian Bach, que preparam o público para a audição integral das Quatro Baladas de Chopin, que serão o culminar do programa.

Artur Pizarro

A primeira edição do Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra termina a 14 de julho, no Palácio Nacional de Queluz, com Artur Pizarro. Neto da pianista Berta da Nóbrega e aluno de Sequeira Costa, que, por sua vez, estudou com Viana da Mota, Pizarro é um pianista virtuoso, cuja brilhante carreira tem sido recheada de prémios e de atuações por todo o mundo.
Para encerrar este ciclo com os ritmos da latinidade, tão apropriados para uma noite perfeita de verão, escolheu um programa que conjuga três universos: a Argentina de Carlos Guastavino e Alberto Ginastera; a Itália de Gian Francesco Malipiero e Mario Castenuovo-Tedesco; e a França de Gabriel Fauré.

Palácio Nacional de Sintra, sala dos Cisnes / Foto: PSML – Luís Duarte

Os bilhetes já estão à venda online no site da Parques de Sintra (www.parquesdesintra.pt). Os recitais no Palácio Nacional de Sintra custam 14€ para jovens (6-17anos) e 18€ para adultos (+18 anos), enquanto os preços dos recitais no Palácio Nacional de Queluz variam entre os 18€ para jovens e os 22€ para adultos.

O Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra é promovido pela Parques de Sintra e tem direção artística do musicólogo Bruno Caseirão. O evento conta com o apoio da Antena 2.

Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra e de Queluz
“O Piano Português”
:

12/07 – 19h00 | ANTÓNIO ROSADO – Palácio Nacional de Queluz (Sala do Trono)
13/07 – 19h00 | LUÍSA TENDER – Palácio Nacional de Sintra (Sala dos Cisnes)
14/07 – 19h00 | ARTUR PIZARRO – Palácio Nacional de Queluz (Sala do Trono)

Com exceção do recital de Pedro Burmester, todos os recitais terão intervalo.

Informação completa e aquisição de bilhetes em www.parquesdesintra.pt

Artigo anteriorFestival de Folclore no Sabugo
Próximo artigoEm tempo de férias, conhecer a história de forma divertida