Contagem decrescente para “a prova mais bonita do mundo”, que será também a mais ecológica com o apoio dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Sintra (SMAS de Sintra). É já no próximo domingo, dia 28 de janeiro, que vai para a estrada, entre a Vila de Sintra e o Cabo da Roca, mais uma edição da Corrida Fim da Europa. Com cerca de 2 500 atletas, entre os quais uma equipa dos SMAS de Sintra, está agendada uma manhã muito especial ao longo do percurso de 17 quilómetros que estabelece a ligação entre o “coração” de Sintra Património Mundial, em plena Volta do Duche, e o ponto mais ocidental do continente europeu.

Já na sua 33.ª edição, a Corrida Fim da Europa assume-se como um evento de atletismo de estrada com carácter competitivo, aliando a prática desportiva ao contacto com a natureza, nas estradas sinuosas da Serra de Sintra que ligam a sede do concelho ao local “onde a Terra se acaba e o Mar começa”, como imortalizou Luís de Camões. Os atletas dispõem de duas horas e meia para completar a prova, sendo divididos em dois grupos, com partidas às 10h00 e às 10h15, dadas as condicionantes naturais do local de arranque da prova.

Constituindo a responsabilidade ambiental uma das principais causas da competição, organizada pelo Município de Sintra, em colaboração com a empresa Podium Events, os SMAS de Sintra vão, mais uma vez, sensibilizar os participantes para a adoção de comportamentos ambientalmente adequados, em particular no domínio dos resíduos, sendo disponibilizados equipamentos para a deposição dos mesmos, no início, durante o percurso e no final da prova, sendo proibido o arremesso de quaisquer resíduos para o chão.

Além da disponibilização de contentores de lixo indiferenciado, estarão disponíveis equipamentos de recolha de papel e de plástico, neste caso para as embalagens de água a distribuir pela organização ao longo do percurso, mas também será conferida uma atenção especial aos resíduos orgânicos. Dada a distribuição de alimentos por parte da organização, no final da prova, será fomentada a recolha de biorresíduos, sejam cascas de fruta ou outros resíduos similares, para serem devidamente encaminhados para valorização.

No final da prova, os SMAS de Sintra vão promover ainda a qualidade da água da rede pública, sob o mote “Beba água da torneira”, com distribuição de águas aromatizadas. Uma forma de retemperar forças e recarregar baterias após uma prova que, após os primeiros quatro quilómetros a subir, ao longo da Rampa da Pena, oferece um percurso oscilante, entre subidas e descidas sem grande dificuldade, até ao quilómetro 10. Neste ponto, que alguns designam por “muro” ou “parede”, é sempre a subir (incluindo 15% de inclinação na parte final) ao longo de mil metros. Os derradeiros seis quilómetros, com o Oceano em pano de fundo, são sempre a descer, até à meta no topo das arribas.

Artigo anteriorObras de repavimentação de vias no Casal da Barota
Próximo artigoSMAS de Sintra assinalam Dia Mundial da Educação Ambiental (26 de janeiro)